A fonoaudióloga Danielle Damasceno sempre foi uma profissional à frente do seu tempo, principalmente quando o assunto envolvia temas relacionados ao Transtorno do Espectro Autista (TEA). Anteriormente conhecido como autismo, o TEA abrange diversos transtornos do neurodesenvolvimento e apresenta como característica central prejuízos na comunicação social e padrões de comportamentos restritos e repetitivos. Segundo o estudo “Retratos do Autismo no Brasil em 2023”, foi constatado que existem, hoje, 13,8% de pessoas autistas em todo o país, número significativo quando se observa que, segundo a ONU, 1% da população mundial está no espectro do autismo. “Enquanto pouco se falava sobre o tema, há 22 anos, eu já estava debruçada em estudos, fazendo cursos e desvendando tudo o que podia sobre o transtorno. Atualmente, avançamos muito. Mas é preciso incluir na rotina de alguém com o espectro terapias que possam colaborar efetivamente com o seu desenvolvimento”, observa.

A profissional, que começou a carreira como professora de uma escola inclusiva no Rio de Janeiro, se especializou no desenvolvimento das habilidades cognitivas das crianças que possuem o espectro autista com dificuldades de fala, linguagem e aprendizagem. Participou de congressos, cursos, foi mediadora escolar e se especializou no transtorno, optando pelo modelo DIR®/Floortime™, criado no final da década de 1980 por pesquisadores norte-americanos para ajudar as crianças a se desenvolver, principalmente as que estão no espectro do autismo. “É um modelo terapêutico que visa o desenvolvimento das crianças com alguma alteração no desenvolvimento da sociabilidade, como é o caso do TEA, respeitando as diferenças individuais e as suas relações interpessoais. O objetivo é ajudar essas crianças a utilizar suas capacidades, levando em conta a etapa do desenvolvimento em que se encontram, e também como processam as informações que recebem do meio em que vivem. Por isso, visa a formação das competências sociais, emocionais e intelectuais, sempre com a participação dos pais no processo terapêutico. Como se estivessem na mesma roda”, detalha a especialista.

Partindo deste princípio, e justamente para facilitar o acesso a terapias que devem ser feitas por crianças e adolescentes não somente autistas, incluindo as que possuem outras questões que colaboram para o atraso do desenvolvimento infantil, que Damasceno, então, teve a ideia de montar uma clínica especializada, chamada Na mesma Roda. Situada na Barra da Tijuca, zona oeste carioca, o espaço multidisciplinar oferece diversas terapias como fonoaudiologia, psicologia, psicopedagogia, terapia ocupacional, avaliação neuropsicológica e estimulação precoce de bebês. “Percebo que ainda há muito desconhecimento sobre o TEA e outros transtornos que envolvem o atraso do desenvolvimento infantil. Muitos diagnósticos demoram a ser dados, principalmente pela complexidade de sua avaliação, de acordo também com a idade da criança. Sem contar que ainda existe muito preconceito em relação a buscar ajuda profissional quando é percebida alguma suspeita de atraso. Por isso, a clínica Na Mesma Roda é um espaço que pretende dar esse suporte em todos os aspectos para os envolvidos, incluindo mães, pais e crianças. Ou seja, é um local integrado com profissionais capacitados que contam, ainda, com todo o meu suporte exclusivo”, explica ela, que ainda possui especialização em Integração Sensorial e é autora do livro “O autismo entre nós”, da Editora Reflexão.

Sobre Danielle Damasceno:

Começou a carreira como professora da escola de educação infantil Rabisco e Ação. Formada em Fonoaudiologia pela IBMR, participou de congressos, cursos e foi mediadora escolar. Especializada no desenvolvimento das habilidades cognitivas de crianças que estão no espectro autista com dificuldades em habilidades sociais, de fala, linguagem e aprendizagem, também fez mestrado em Fonoaudiologia, Linguagem e Cognição com linha de pesquisa no espectro do autismo e a relação entre terapeutas, escola e família. É terapeutaDIR/Floortime em formação pelo ICDL/USA, além de certificada em integração sensorial pela Ludens/University South of Califórnia (USC).

Autora do livro “O autismo entre nós”, da Editora Reflexão, é professora de cursos de pós-graduação de Autismo do CBI of Miami, palestrante sobre linguagem infantil e inclusão social, além de comandar o espaço Aprendendo a brincar na mesma roda, uma clínica de atendimento transdisciplinar da infância e adolescência na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O espaço conta com uma equipe especializada de fonoaudiólogos, psicólogos, terapeuta ocupacional, psicopedagoga e psicomotricista. Os atendimentos acontecem individualmente e também em pequenos grupos, onde são trabalhados objetivos de habilidades sociais e de inclusão.

Na sua carreira, foi idealizadora dos seguintes projetos:Colônia de Férias Inclusiva (Na mesma Roda); Inclusão Possível (cursos e assessoria dentro das escolas); Papai e Mamãe que brincam (curso para pais e cuidadores); Mediadores na mesma Roda (curso teórico e prático de formação de mediador escolar).

Serviço:

Na mesma Roda: Av. Ruy Frazão Soares, 191, sala 214 – Barra da Tijuca

Instagram: @namesmaroda

WhatsApp: 21 982762588