Parlamentares receberam informações técnicas e pesquisa que mostra que medida estimulará as compras no Brasil

A proposta de implementação do Tax Free no Brasil foi defendida pela Fecomércio RJ, em conjunto com a CNC, nessa terça-feira (18/06), na Câmara dos Deputados.

Em audiência pública, durante palestra para a Frente Parlamentar do Empreendedorismo e em reunião específica com os deputados que compõem o GT da Reforma Tributária, o consultor da Presidência da Fecomércio RJ, Otavio Leite, apresentou dados, informações técnicas e uma pesquisa (especialmente aplicada junto a turistas) para sustentar que a medida vai gerar um grande estímulo para que compras sejam realizadas no nosso território.

Essa é uma pauta que o presidente da Fecomércio RJ, Antonio Florencio de Queiroz Junior, vem priorizando pelo importante potencial de gerar divisas para o país, através do aumento das vendas no comércio.

Na audiência pública, foi apresentada uma sugestão de texto para promover a equiparação à exportação nos produtos adquiridos por turistas.

Sobre a Fecomércio RJ

Reúne 59 sindicatos patronais, líderes empresariais, especialistas e consultores com o objetivo de fomentar o desenvolvimento dos negócios no setor do comércio de bens, serviços e turismo no estado do Rio de Janeiro. Desenvolve soluções, pesquisas e disponibiliza conteúdo sobre questões que impactam a vida do empreendedor e colaboram nas decisões dos gestores públicos. Representa mais de 286 mil estabelecimentos, que respondem por 2/3 da atividade econômica do estado e 70% dos estabelecimentos, gerando mais de 1,8 milhão de empregos formais, que equivalem a 61% dos postos de trabalho no estado. Através do Serviço Social do Comércio (Sesc RJ) atua em assistência social, cultura, educação, lazer e saúde aos comerciários e população carente, enquanto o Serviço Nacional de Aprendizagem Comércio (Senac RJ) promove educação profissional voltada para o setor.

A Fecomércio RJ e o Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ) são signatários do Pacto Global da ONU. Ao terem suas adesões oficializadas pelo organismo internacional, as duas Casas se comprometem com os dez princípios universais derivados da Declaração Universal dos Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho sobre Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho, da Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, e da Convenção das Nações Unidas Contra a Corrupção, se alinhando aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que integram a Agenda 2030.