Fisioterapeuta e fundadora da Clínica Espaço Kids, Jamaica Araújo enfatiza a importância na ampliação da oferta de apoios e serviços especializados para a inclusão de crianças e adolescentes nas escolas

O dia 2 de abril é reconhecido como oDia Mundial de Conscientização do Autismo, com o objetivo de disseminar informações para combater a discriminação e o preconceito contra aqueles que vivem com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). A data é uma oportunidade para destacar os avanços da inclusão escolar, promovendo ambientes educacionais mais acessíveis e acolhedores para estudantes com TEA.

Segundo afisioterapeuta e fundadora da Clínica Espaço Kids,Jamaica Araújo, o autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento que pode se manifestar através de um desenvolvimento atípico, comportamentos específicos e déficits na comunicação e interação social. “Quando lidamos com o processo de aprendizagem de uma pessoa com TEA, é essencial estar aberto a ajustar as práticas pedagógicas, utilizar diferentes ferramentas de intervenção e até mesmo empregar estratégias personalizadas para criar recursos que facilitem a aprendizagem”, explica.

Ela conta também que muitos programas de formação de professores agora incluem treinamento em educação inclusiva. “Isso ajuda os educadores a desenvolver habilidades e estratégias para atender às necessidades de uma ampla variedade de alunos em suas salas de aula”, diz.

Outro fator que tem contribuído para a inclusão de crianças e adolescentes nas escolas é a ampliação da oferta de apoios e serviços especializados. “Esses recursos são projetados para atender às necessidades específicas dos alunos e garantir que eles recebam o suporte necessário para alcançar seu máximo potencial na educação”, afirma.

Nesse contexto, torna-se essencial que haja um diagnóstico precoce do autismo, o que requer uma abordagem colaborativa entre várias áreas, especialmente saúde e educação. Reconhecer e entender as características do autismo o mais cedo possível é fundamental. No entanto, mais importante do que o diagnóstico precoce é a intervenção precoce, esclarece Jamaica. “A intervenção para pessoas com autismo deve ser orientada por objetivos mensuráveis que permitam avaliar os resultados. Essa abordagem integrada desde o diagnóstico até a intervenção é essencial para proporcionar o melhor suporte possível para indivíduos com TEA”, ressalta.

Essa abordagem também se reflete no tratamento multidisciplinar para o autismo. Por exemplo, ao combinar fisioterapia com musicoterapia, pode-se estimular não apenas a motricidade, mas também a expressão emocional e social por meio da música, afirma Jamaica. “Da mesma forma, a prática da psicopedagogia se concentra em desenvolver habilidades cognitivas e comportamentais, enquanto a fonoaudiologia se dedica a estimular a linguagem e a comunicação. Essa colaboração entre diferentes áreas de especialização proporciona um suporte holístico que atende às diversas necessidades das pessoas com TEA, promovendo seu desenvolvimento de forma integrada e abrangente”.