O mundo corporativo está testemunhando duas tendências emergentes que estão redefinindo as aspirações e atitudes dos funcionários: “quiet ambition” (ambição silenciosa) e “quiet quitting” (desistência silenciosa). Enquanto a primeira reflete uma abordagem mais introspectiva e equilibrada para o sucesso profissional, a segunda é um indicativo crescente de desengajamento no local de trabalho.

“Conhecida como “quiet ambition” (ambição silenciosa), essa tendência está ganhando força no ambiente de trabalho, principalmente entre os membros da Geração Z. Este fenômeno reflete uma mudança nas prioridades dos trabalhadores, que estão cada vez mais valorizando o equilíbrio entre vida pessoal e profissional em vez de aspirar a cargos de liderança ou promoções”, comenta a executiva de RH, Camila D’Andréa.

Um estudo da Visier revelou que apenas 4% dos funcionários consideram chegar à C-suite (alta liderança executiva) como um objetivo de carreira principal. Além disso, somente 38% dos colaboradores individuais têm interesse em se tornar gestores de pessoas em sua organização atual, e 62% preferem permanecer como colaboradores individuais. Quando questionados sobre suas ambições pessoais, 67% mencionaram passar tempo com a família e amigos, 64% falaram sobre ser fisicamente/mentalmente saudáveis, e 58% citaram viajar. Apenas 9% consideraram se tornar um gestor de pessoas uma ambição, e somente 4% disseram o mesmo sobre se tornar um executivo de C-suite.

“O “quiet ambition” não é uma rejeição da produtividade durante o dia de trabalho, como o “quiet quitting” (desistência silenciosa), mas sim uma promoção de metas pessoais acima das profissionais. Isso pode levar a uma diminuição dos candidatos disponíveis para posições de liderança, especialmente à medida que mais organizações enxugam suas C-suites e eliminam o papel de COO (Chief Operating Officer), tornando o planejamento de sucessão mais nebuloso. O aumento do estresse e da pressão ou a perspectiva de horas de trabalho mais longas são fatores que desencorajam os funcionários a buscar posições mais altas”, aponta Camila.

De acordo com a executiva, o fenômeno do “quiet quitting” (desistência silenciosa) está se tornando cada vez mais comum no ambiente de trabalho, especialmente entre os trabalhadores remotos e híbridos com menos de 35 anos. Um estudo da Gallup encontrou que 18% dos funcionários nos EUA estão “ativamente desengajados” no trabalho, o maior índice desde 2013, e mais de 50% simplesmente “não estão engajados” – os chamados “quiet quitters”​​.

Além disso, uma pesquisa realizada pela Real Estate Witch revelou que 1 em cada 3 trabalhadores (33%) se considera um “quiet quitter”, e 39% admitiram ter adotado essa postura em empregos anteriores. A maioria dos trabalhadores (53%) não fará trabalho adicional sem remuneração adicional, e mais de 1 em cada 3 (36%) não se esforçaria mais mesmo por mais dinheiro. Surpreendentemente, mais da metade dos funcionários (58%) aceitaria uma redução salarial se isso garantisse a felicidade no trabalho, com 1 em cada 5 (20%) dispostos a aceitar uma redução de $20.000 ou mais​​.

“Esses dados indicam uma mudança significativa na maneira como os trabalhadores estão abordando suas carreiras, priorizando a saúde mental e o equilíbrio entre vida pessoal e profissional em detrimento do avanço tradicional na carreira. Isso pode ter implicações importantes para as empresas, que precisarão reavaliar suas estratégias de engajamento e desenvolvimento de talentos para se adaptar a essas novas prioridades dos funcionários”, comenta a executiva.

E Camila complementa: “Estamos vendo uma redefinição clara do que significa ser bem-sucedido no ambiente de trabalho. A quiet ambition e o quiet quitting são reflexos de uma geração que valoriza a saúde mental e a qualidade de vida acima da ascensão corporativa tradicional,” explica D’Andréa. Ela enfatiza a importância das empresas em reconhecer e se adaptar a essas mudanças: “As organizações precisam estar atentas a essas tendências e criar ambientes de trabalho que promovam o bem-estar dos funcionários, oferecendo flexibilidade e reconhecendo suas conquistas de maneira significativa, “finaliza a executiva de RH.

Sobre Camila D’Andréa

Camila D’Andréa, com mais de uma década de experiência profissional, começou sua carreira em Comunicação Social, ampliando seu escopo para eventos de negócios e, posteriormente, consolidando-se como uma líder influente em Recursos Humanos. Com uma abordagem holística, ela se destaca na criação e implementação de programas estratégicos de RH, voltados para o impulsionamento de desempenho e engajamento, além de ser uma força motriz na promoção de uma cultura de trabalho positiva e inclusiva.

Suas competências são variadas, incluindo gestão de equipes, condução de processos de mudança em situações de fusões, desenvolvimento organizacional e comunicação corporativa. Camila possui uma trajetória diversificada, tendo atuado em empresas líderes nas áreas de Educação Corporativa, Auditoria, Consultoria e Publicidade. Esta experiência multifacetada lhe confere uma compreensão profunda das necessidades e desafios do RH em diferentes contextos empresariais.

Além de sua expertise em RH, Camila é uma escritora e facilitadora apaixonada pelas áreas de Bem-estar, Mindfulness e Escrita Terapêutica. Ela acredita firmemente no equilíbrio entre o desenvolvimento profissional e pessoal como o caminho para uma vida plena e significativa.