Nos últimos anos, o índice calculado pelo IESS teve oscilações por conta dos efeitos da pandemia e agora segue estável, enquanto o IPCA está em queda

A Variação de Custos Médico-Hospitalares (VCMH), apurada pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), fechou em 15,1% nos 12 meses encerrados em junho de 2023, comparado com os 12 meses anteriores. O estudo leva em conta o comportamento de uma carteira de 606 mil beneficiários de planos de saúde individuais e, novamente, se revelou superior à inflação de preços medida pelo IPCA/IBGE, que foi de 3,2% no mesmo período.

O índice permaneceu estável, apenas 0,2 pontos percentuais a mais, em comparação ao ritmo de aumento das despesas registrado no levantamento anterior (14,9%), referente aos 12 meses terminados em março de 2023. Na oportunidade, o IPCA/IBGE foi de 4,7% no mesmo período.

O estudo mostra que houve aumento significativo na frequência de utilização dos serviços que compõem a lista de procedimentos de Outros Serviços Ambulatoriais (OSA), executados por profissionais de nível superior, mas não médicos, entre eles psicólogos e terapeutas ocupacionais, nutricionistas e fisioterapeutas. Nota-se um crescimento acentuado, iniciado a partir de junho de 2021 quando a variação era 13,2% positiva, saltou para 121,6% nos 12 meses seguintes, e se fixou 30,6% em junho de 2023, percentual ainda considerado elevado.

“A pandemia da Covid-19 acentuou a prevalência de distúrbios mentais e levou as pessoas a buscarem esses tipos de procedimentos com mais intensidade. Além disso, fica evidente o aumento no tratamento específico do transtorno do espectro autista (TEA), que passou a ser mais conhecido, discutido e exposto na mídia” afirma o superintendente executivo do IESS, José Cechin, ao lembrar que a retirada dos limites de cobertura por parte da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) para psicólogos e terapeutas ocupacionais, em 2022, por exemplo, intensificou bastante os atendimentos com esses profissionais na saúde suplementar.

Além do aumento na frequência de OSA, a análise apresentou, no período analisado, variação positiva, que representa aumento nas despesas per capita de 15,9%, no pacote de procedimentos disponíveis. Para se ter uma ideia, entre os 12 meses anteriores a junho de 2022 e os 12 seguintes até junho de 2023 o número de procedimentos realizados no País subiu de 5,2 milhões para 6,6 milhões, alta de 27,5%, sendo o maior volume entre beneficiários de planos de saúde com 59 anos ou mais.

Cechin acrescenta ainda que, “ninguém pode ser contra esse tipo de tratamento, porém temos que ficar atentos à questão da ausência de padronização de protocolos, bem como normatizações para esses tipos de casos, visando a utilização adequada, na medida certa, de forma a produzir o resultado almejado, sem desperdícios de recursos”.

O levantamento do IESS, no entanto, revela que a VCMH também foi positiva em outros grupos de procedimentos, significando crescimento das despesas por exposto, entre eles terapias (32,3%), consultas (13,4%) internação (12,8%) e exames (3,2%).

Como a VCMH é calculada

A VCMH é calculada a partir de metodologia internacional considerando-se o custo médio por exposto em um período de 12 meses em relação às despesas médias dos 12 meses imediatamente anteriores. O índice é uma média ponderada por padrão de plano individual (básico, intermediário, superior e executivo), o que possibilita a mensuração mais exata da variação do custo médico-hospitalar. Com isso, eliminam-se boa parte das variações que decorrem de mudanças na composição dos planos, que nada teriam a ver com variação de despesas.

A metodologia é reconhecida internacionalmente e aplicada na construção de índices de variação de custoper capitaem saúde nos Estados Unidos, como oS&P Healthcare Economic CompositeeMilliman Medical Index.

Clique aquipara acessar o estudo na íntegra.

Sobre o IESS

OInstituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS)é uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de promover e realizar estudos sobre saúde suplementar baseados em aspectos conceituais e técnicos que colaboram para a implementação de políticas e para a introdução de melhores práticas. O Instituto busca preparar o Brasil para enfrentar os desafios do financiamento à saúde, como também para aproveitar as imensas oportunidades e avanços no setor em benefício de todos que colaboram com a promoção da saúde e de todos os cidadãos. O IESS é uma referência nacional em estudos de saúde suplementar pela excelência técnica e independência, pela produção de estatísticas, propostas de políticas e a promoção de debates que levem à sustentabilidade da saúde suplementar.