Saiba mais sobre o caminho a ser trilhado no mundo dos negócios, para ir da inspiração ao lucro

Quando o assunto é criatividade, o que vem em mente de imediato são as expressões artísticas. Mas, a criatividade também está nas ideias inovadoras no mundo dos negócios, originando novos produtos, serviços e até permitindo a virada de chave de inúmeras marcas. No próximo domingo, 21 de abril, é o Dia Mundial da Criatividade, data oficializada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2017, para valorizar o pensamento criativo, incentivando a inovação como ferramenta essencial na resolução de desafios globais.

Para celebrar a data, apresentamos alguns cases de sucesso de empresas que exemplificam a importância da criatividade em diferentes segmentos do mercado. Confira!

  • Turismo de negócios

Para a Voll, maior agência digital de viagens corporativas do Brasil, criar uma plataforma unificada, que une todo o universo da mobilidade, para trazer mais facilidade e economia para as empresas, foi o que a fez ser procurada por grandes marcas como Itaú, Andrade Gutierrez e Pepsico. Jordana Souza, Cofundadora da VOLL, recusou um cargo internacional para entrar de cabeça nessa ideia e empreender. “Sem o recurso da tecnologia, pode ser uma dor de cabeça planejar uma viagem, desde a reserva do voo ou da hospedagem, até levantar possível adiantamento financeiro e prestação de contas, seja para o colaborador que trabalha fora de casa, seja para a companhia empregadora. A partir da solução criativa, mudamos o dia a dia das empresas e ainda permitimos a economia de 30% dos gastos mensais”.

  • Sistema jurídico

No caso de Lorena Lage, CEO e cofundadora da L&O Advogados, foi a partir de sua inconformidade quanto ao setor jurídico e a morosidade do sistema judiciário que ela e o sócio Robert Oliveira criaram um novo mercado. Hoje eles atuam exclusivamente com preventivo jurídico, antecipando problemas e evitando que eles aconteçam. Dessa forma, as marcas diminuem o risco de processos que podem impactar o desenvolvimento dos negócios. A L&O virou referência para startups e negócios disruptivos exatamente por essa inovação: mesmo atendendo mais de 420 empresas, em 2023 houve apenas dois processos.

“Identificamos, analisando outros mercados, formatos de planos por horas para prestação de serviços. Percebemos que esse era um modelo que os nossos clientes já poderiam estar mais acostumados. Nos inspiramos nas softwares houses, testamos, estruturamos alguns formatos, verificamos alguns planos de acordo com o número de horas que mais se encaixavam para o momento da startup. Foi uma virada de chave para gente. Nas primeiras reuniões a gente já começou a fechar novos contratos e ficou muito mais fácil para os clientes entenderem a nossa parceria. As startups contratam um plano de horas e as utilizam de acordo com o que efetivamente for demandado pela empresa. Se não utilizar, seguem disponíveis para a utilização no mês que for necessário dentro de 12 meses, tudo acompanhado por um sistema automatizado, afirma Lorena, que com criatividade também vem inspirando outros escritórios a olharem para a forma como praticam o direito.

  • Finanças

E, por falar em investimentos, a demanda por uma consultoria financeira com modelo transparente foi o que levou os sócios da Futuro Capital a se unirem e criarem a empresa em 2022. Adotando o modelo fiduciário (de taxa fixa), pouco conhecido no mercado brasileiro, neste caso, a empresa não recebe comissões sobre os produtos que recomenda, mas um valor fixo pago mensalmente pelo cliente, independentemente do produto financeiro consumido. A Futuro Capital rapidamente atraiu outro nicho de investidores, aqueles que buscam domínio de técnica para objetivos personalizados.

Inovar e sair do comum do setor foi essencial para a assessoria. “No primeiro ano de funcionamento, temos uma carteira de R$ 1,7 bilhão. Prevemos dobrar a carteira de ativos sob custódia ainda no primeiro semestre de 2024 e atingir a marca de R$3 bilhões acumulados em carteira neste mesmo período. Em 5 anos, a Futuro Capital cogita multiplicar por 30 a carteira de clientes defendendo e consolidando no Brasil o Modelo Fiduciário. Tudo surgiu devido ao nosso descontentamento de como é falado sobre os investimentos no país”, diz Henrique Silva, sócio-fundador da Futuro Capital.

  • Universo cripto

A inovação também está em criar novas formas de lidar com a nova economia, pensando nisso, a DUX possui uma robusta infraestrutura blockchain disponível por meio da iDUX, a carteira digital que é uma ponte entre o mercado tradicional e a Web 3.0. “Somos a primeira empresa latino-americana a receber investimento da Old Fashion Research, R$7 milhões de seed round, e uma das primeiras a receber investimento da Animoca Brands no Brasil, no valor de R$3 milhões. E por que essas marcas investem na gente? Porque democratizamos o acesso à Web3, facilitando que empresas e pessoas tenham mais segurança, assim como vivam experiências diferentes. No último ano, por exemplo, criamos do zero o Didicoverso, a presença do ex-jogador de futebol Adriano no metaverso, com oportunidades variadas de interagir com seus fãs”, argumenta Luiz Octávio Gonçalves Neto, CEO e fundador da DUX.

  • Educação

Um levantamento do núcleo de inteligência e análise de dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) estimou que um milhão de novos empregos serão gerados pela economia criativa até 2030, elevando, em consequência, a atual participação de 3,11% do setor no Produto Interno Bruto. Daniel Spolaor, sócio e CEO da Universidade Corporativa Korú, já acelerou mais de 3,5 mil carreiras e está conectada a mais de 300 negócios de empresas como Suzano, O Boticário, Alpargatas (Havaianas) e iFood, conta que conversou com pessoas em todas as partes do mundo para criar um modelo de negócio pedagógico disruptivo.

“Ouvimos muitos profissionais de outros países e áreas, conversamos com pais e alunos, e decidimos juntar as ideias mais interessantes para fundar a Korú. Com o tempo, para atrair mais marcas e parceiros, adaptamos novamente nosso modelo de educação semelhante a um sistema de construção de brinquedo (Lego) em que a gente consegue colocar cada peça nele, tanto de conteúdo, de assuntos, em qualquer curso nosso, tanto em formato online, ao vivo e presencial. Nosso modelo pedagógico é super adaptável”, fala Daniel, que comenta que esta fórmula de sucesso foi essencial para o crescimento da empresa.

  • Youtubers e marketing de influência

E, se o assunto é marketing de influência e produção de conteúdo, a Curta, o maior hub de Youtubers na América Latina, com mais de 52 criadores de conteúdo focados em entretenimento e games, vem revolucionando esse mercado. Eles criaram um modelo diferenciado: em vez de apenas agenciar influenciadores, eles criam tecnologias e oportunidades. Além da criatividade na hora de fazer publicidade, priorizando a experiência do seguidor com a marca, eles desenvolveram uma plataforma única para identificar o perfil real do público e até inteligência artificial para clonagem de voz em outros idiomas e aumentar a exportação conteúdo.

Por meio de Inteligência Artificial, a Curta cria estratégias completas de divulgação de canais de seus influencers com dublagem em inglês e espanhol. O que se deve a uma demanda de mercado.O YouTube brasileiro ainda não leva os criadores à monetização que um canal americano, por exemplo, levaria. O que mostra uma oportunidade de negócios e uma urgência em internacionalizar canais brasileiros”, explica Pedro Gelli, sócio-fundador da Curta.

  • Alimentação e agronegócios

E quando a criatividade parece não ser mais possível no agro, vem a Verdureira e mostra que não é bem assim. Além de ser pioneira em saladas prontas para consumo no Brasil, a marca, com quase 30 anos de trajetória, conseguiu inovar de novo. Eles viraram o negócio ao se tornarem uma agroindústria nos últimos anos, internalizando todos os processos da cadeia produtiva. E como se não bastasse, para evitar crises de abastecimento e a grande variação climática, como altas temperaturas e excesso de chuva, criaram um novo sistema de hidroponia em floating (cultivo de hortaliças em piscinas), sendo a primeira empresa no país a utilizar a tecnologia em larga escala.

Inspirados nos modelos holandeses, desenvolveram a própria tecnologia para execução do floating, considerando o cenário brasileiro. Criaram desde as placas ideais, onde as hortaliças ficam bem posicionadas para flutuar nas piscinas, até sistemas únicos para a oxigenação da solução nutritiva. Implementaram também um novo uso para nanobolhas. “Sabíamos que era um desafio, mas estávamos dispostos a aprender mais, testar e arriscar, pois acreditávamos que seria um divisor de água para o negócio e também para o agro brasileiro. Agora, produzimos mais, com menos esforços e recursos, além de oferecer um produto com mais qualidade para o consumidor”, explica Ari Rocha, sócio e CEO da Verdureira. Nos próximos meses, a marca será capaz de produzir 39 toneladas mensais de hortaliças.

  • Arte de rua

E já que o Dia da Criatividade remete tanto à arte e cultura, vale entender como o Fábrica de Graffiti fez a cultura se tornar um negócio e ainda trazer mais qualidade de vida em cidades industriais. A marca humaniza distritos urbanos por meio da arte urbana e já percorreu seis estados do Brasil em 30 km² de intervenções artísticas em parceria artistas visuais brasileiros, que colorem os muros com suas obras autorais. A produtora-executiva, Paula Mesquita, acredita no potencial que a arte tem de despertar o olhar criativo e transformador, vocação tem feito grandes empresas apostarem na iniciativa.

“A arte de rua é a expressão artística mais democrática que existe. Sempre me incomodou perceber que ou a arte que era acessível e muito banalizada ou muito cara e elitizada. Buscava o meio-termo e isso me levou a empreender. Transformar lugares de passagem em grandes galerias ao céu aberto humaniza territórios fabris na cidade. Trabalhar em ambiente marginalizado é, de certa forma, abraçar quem não é visto e a arte tem esse poder. Fazemos isso de forma sustentável. Isso fortalece a cultura e a imagem de empresas que praticam ESG, por isso elas sempre retornam para um novo projeto”.