O esporte ao ar livre tem atraído cada vez mais brasileiros, principalmente depois da pandemia. No Brasil, os praticantes de atividades em montanha, como caminhada, escalada e corrida de montanha são na ordem de 12 milhões de pessoas. Em um mundo cada vez mais conectado, caracterizado pelo Transtorno de Déficit de Natureza, tais atividades, além de promover saúde física e bem-estar, estão relacionadas à saúde mental, aumento de criatividade, habilidades cognitivas, redução do stress, ansiedade e depressão.

A médica com certificação em áreas remotas, mãe, montanhista há 26 anos, e sócia doGear Tips(primeira plataforma brasileira de educação voltada a atividades na natureza),Fernanda May, pratica escalada, caminhada e corrida em trilha e alta montanha. Além de ter corrido a prova de 100 km em El Cruce, na Argentina, já fez o cume de montanhas como Denali, uma das mais desafiadoras do mundo, Aconcágua, Kilimanjaro, entre outras.

“Independentemente da modalidade e do nível de esporte na natureza que a pessoa vá praticar, seja uma caminhada na floresta ou uma travessia longa, ela precisa estar preparada fisicamente, mentalmente e ter conhecimento de equipamentos, tecnologias e habilidades técnicas. Desta forma, evitará desperdício de dinheiro com compras de equipamentos errados, lesões e abandono da atividade”, conta a profissional.

Confira 7 dicas de Fernanda May para quem quer começar:

1. Ajuste suas expectativas: a primeira coisa é entender que existem atividades para todos os níveis. “Sempre digo que cada um tem o seu Everest. Portanto, comece com o seu, por mais simples que seja. Não queira tudo para ontem, caso contrário, provavelmente você desistirá no meio do caminho”

2. Não ache que não tem perfil: você não precisa ser superatleta, nem ter um corpo sarado para praticar atividades ao ar livre. “Há, por exemplo, pessoas que querem fazer expedições maiores, mas não conseguem carregar suas mochilas. E isso não é um problema! Minha dica é encontrar serviços e profissionais que te auxiliem com as suas limitações”

3. Não se compare com outras pessoas: “Quando chamo minhas amigas para fazer uma trilha ou caminhada, elas sempre brincam: ‘ah, com você, não!’. É claro que há toda uma trajetória por trás de cada uma das minhas conquistas, mas eu também comecei do zero”

4. Não use a falta de tempo como desculpa: manter uma rotina é fundamental para você não desistir. Ela faz bem para a cabeça e para o corpo. “Querer conciliar uma ‘vida louca’, sem rotina para nada, com a vida de esporte na natureza é impossível! A rotina garantirá a sua evolução. Tenha em mente um cenário real de acordo com o seu estilo de vida”

5. Permita-se falhar: a mente e corpo nem sempre estarão alinhados. “É importante a gente entender que têm dias em que faltará disposição. Somos adultos! Temos problemas e responsabilidades. Aprenda a lidar com a frustração de não alcançar uma meta em um dia ruim”

6. Tenha claro o seu objetivo: ele pode estar associado a saúde física, bem-estar mental, se tornar atleta e até conquistar cumes. “Definir o seu objetivo te ajudará a manter as metas claras e a motivação em alta”

7. Encontre um grupo com o qual você se identifique: “Além de receber orientação qualificada, a socialização com outras pessoas é importante para que você não desista. Além disso, estar ao lado de outras pessoas é um fator importante no combate da ansiedade e estresse do dia a dia”

Sobre Fernanda May

Médica anestesiologista com certificação em medicina de áreas remotas pela WMAI e sócia doGear Tips, plataforma de educação voltada para praticantes de atividade na natureza. Montanhista desde 1998,pratica trekking, escalada, alta montanhae trail running. Já fez o cume de montanhas como Aconcágua, Kilimanjaro, Huayna Potosi, Cayambe, Cotopaxi e Mont Blanc. No ano passado, Fernanda foi ao Alasca para fazer o cume do Denali, montanha mais alta da América do Norte, com mais de 6 mil metros de altitude. Demorou 14 dias para subir e 3 para descer. Foi durante a descida que pisou em falso na neve, caindo em uma rachadura de gelo, o que chama de greta, e ficou submersa na neve, a mais de cinco metros, pendurada com um braço só pelo bastão que agarrou na superfície. Conseguiu se salvar com a ajuda da equipe, mas também por ser altamente capacitada. Ao sair, teve que encarar mais de 50 gretas no caminho até a terra firme, o que exigiu de Fernanda preparo não somente físico, mas psicológico.

Sobre o Gear Tips:

A plataforma comandada por Fernanda, ao lado do engenheiro químicoPedro Lacaz Amaral, já impactou mais de13 mil pessoascom workshops presenciais e mais de40 mil pessoasem congressos deTrekking (Caminhada em Trilhas) e Trail Running (Corrida em Trilha)e treinamentos online. Seu canal noYoutubeconta commais de 46 mil inscritose mais de600 vídeos.No Instagram, são mais de37 milseguidores. O Gear Tips Club ferece conteúdos,workshopsecursos onlineespecializados em condicionamento físico e mental, equipamentos e tecnologias e habilidades técnicas para a prática de atividades ao ar livre. Além disso, mantém um fórum de discussões e umarede de parceiroscom mais de 150 associados que conecta os membros com guias, instrutores, escolas de aventuras, marcas e lojas, fortalecendo o laço de comunidade e ampliando redes de relacionamento. Os planos anuais variam de R$ 69,90 a R$ 669,90.